Chegada das empresas orientais na economia Brasileira e o impacto no transporte.

Empresários orientais têm expandido suas operações de forma intensiva, não apenas em seus países de origem, mas também têm rompido as barreiras nacionais em busca de conquistarem novos mercados. O Brasil é um desses destinos que empresas orientais têm buscado, principalmente as de origem asiática.

Dados apontam que, desde o ano de 2015, somente a China investiu cerca de R$60 bilhões de reais em empresas aqui no Brasil. Este é um montante considerável, visto que, em um passado não muito distante, a China era sinônimo de maus negócios e baixa qualidade de produtos e serviços. O cenário do aumento das operações vem mudando fortemente esta visão errada que o mundo tinha das empresas orientais, bem com essas empresas têm buscado melhorar continuamente.

Quando os primeiros empresários orientais chegaram ao Brasil com o objetivo de estabelecerem suas empresas em solo nacional e investirem em nossas empresas, o primeiro segmento que lhes despertou interesse foi o segmento de energia. Posteriormente, passaram a investir em infraestrutura, principalmente na área de contêineres e armazenagem, portos e aeroportos.

As empresas orientais também atuam no segmento de importação, ou seja, trazendo para o Brasil os produtos e equipamentos fabricados nos seus países de origem. Com essa movimentação, há uma grande necessidade de investir nos modais de transportes, tanto marítimo, aéreo como rodoviário, pois todas essas mercadorias precisam ser distribuídas por todo o nosso território nacional.

Como sabemos, o Brasil tem sérios problemas na área de transportes, principalmente no modal rodoviário, fato este que é causado pela falta de infraestrutura adequada, o que torna a implantação de soluções empresariais nesta área algo muito difícil. Talvez esta seja uma das grandes barreiras de empresas de fora do país quererem ter atividades em terras brasileiras.

É fato que a instalação de empresas orientais no Brasil tem ajudado bastante a economia, pois, tem gerado empregos e proporcionado o aumento do consumo interno. Porém, como estas empresas têm alto volume de produção e grandes vendas, seu transporte ocorre na maioria das vezes em contêineres, que é algo não muito fácil de ser transportado em nossas rodovias. Os custos são elevados e o tempo de deslocamento é alto. Para isto, é necessária uma boa estrutura de planejamento do transporte rodoviário.

Tecnologias específicas para otimização logística são imprescindíveis para empresas que realizam transportes, pois, têm uma plataforma completa que permite o planejamento de transporte e locomoção no modal rodoviário, bem como os custos inerentes a este deslocamento. Para empresas que tem um alto volume de mercadorias circulando por todo o país, como as empresas chinesas que tem operações no Brasil, é de grande importância vencer essas dificuldades e barreiras, pois, essa relação comercial é vantajosa para todos os envolvidos, principalmente para o Brasil, que busca sempre manter sua economia aquecida.

Além das dificuldades de conservação das rodovias brasileiras, as empresas orientais que chegam aqui para iniciarem suas atividades encontram outras dificuldades, como o custo elevado das operações, provenientes dos altos preços dos pedágios e o valor dos combustíveis fora da linha de tendência quando comparado com outros países. Estes dois elementos têm forte impacto no transporte, que por consequência, atrapalha na qualidade deste serviço. Aos poucos, essas empresas orientais instaladas aqui vão se adaptando e, até mesmo, contribuindo para melhoria do transporte brasileiro, implantando tecnologias e fazendo investimentos nessa área. Um bom exemplo disto foi a aquisição de 90% do Terminal de Contêineres de Paranaguá pela estatal China Merchants Port Holding. Isto trará benefícios à área do transporte para empresas realizarem suas operações aqui no Brasil, bem como estes investimentos ajudarão a área de transporte nacional, pois, essas empresas têm melhores condições de tecnologia e capital para investimentos.

Empresas orientais têm por princípio a efetividade, com isso, ao passo que iniciam suas atividades no Brasil, se veem com a grande necessidade da utilização de transporte com qualidade. No entanto, o Brasil não tem planejamento para o setor de transporte. Há um grande hiato entre o ideal e a realidade. Essas barreiras dificultam o crescimento do país, pois, não há crescimento onde não há transporte, ou que seja deficitário. A chegada de empresas orientais tem forçado mudanças no setor de transporte, porém, não é possível afirmar que tenham conseguido sucesso. Mas, uma coisa é certa: se o Brasil deseja continuar a crescer e receber empresas estrangeiras de grande potencial, uma das primeiras medidas a serem tomadas são melhorias na infraestrutura de transporte e suporte rodoviário, bem como analisar os custos e reduzi-los, pois, o transporte no Brasil, independente do modal, ainda é uma atividade de valor muito elevado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *